Marca do Crea-PR para impressão
Disponível em <https://www.crea-pr.org.br/ws/arquivos/23570>.
Acesso em 24/06/2021 às 00h57.

No Dia do Geógrafo, Presidente do Crea-PR destaca papel do Conselho para valorizar profissão

30 de maio de 2019, às 14h32 - Tempo de leitura aproximado: 4 minutos

O Presidente do Crea-PR, o Engenheiro Civil Ricardo Rocha, foi um dos palestrantes no encontro da Aprogeo-PR (Associação dos Profissionais Geógrafos) em homenagem ao Dia do Geógrafo, comemorado em 29 de Maio. O evento foi realizado na noite desta quarta-feira, na unidade regional do Crea-PR em Curitiba, e teve transmissão ao vivo para todo o Estado, com participações especiais das regionais de Londrina, Maringá e Guarapuava.

Em sua apresentação, que abriu o debate, Ricardo Rocha abordou o atual mercado de formação dos Geógrafos, que tem, atualmente, 129 cursos em todo o Brasil e sete instituições de ensino cadastradas junto ao Crea-PR. O Presidente destacou, ainda, a importância da criação de Entidades de Classe, o que permite uma maior representatividade junto ao Conselho e acesso a recursos para ampliar a qualificação profissional dos Geógrafos.

“Enfatizamos que é importante que os Geógrafos se organizem, especialmente por meio das Entidades de Classe. A representação no Crea se faz pelos Conselheiros, por meio das Entidades de Classe ou Instituições de Ensino. No caso das Entidades, elas permitem um acesso direto, enquanto que, nas Instituições de Ensino, há concorrência entre as demais profissões”, disse Rocha. “Ao participar como Conselheiro, é possível contribuir com uma melhor forma de regulamentar a profissão, fazer uma fiscalização mais adequada das atividades e acessar recursos, por meio dos Editais de Chamamento, para palestras, eventos, visitas técnicas e publicações. Isso é fundamental para que a profissão seja mais valorizada.”

O Presidente do Crea-PR também ressaltou que as Anotações de Responsabilidade Técnica (ARTs), disponibilizadas pelo Conselho à Instituições de Ensino e pesquisadores, podem ser uma fonte de dados importante para entender o mercado de trabalho desses profissionais. “É um banco de dados de anos, que mostra os Geógrafos devidamente registrados no Crea-PR e quais são os tipos de atividade que eles têm desenvolvido. Com isso, é possível entender uma série histórica, se houve mudança em relação à forma de atuação, verificar a distribuição geográfica dos profissionais, quais áreas não tinham a participação dos Geógrafos e passaram a ter, que atividades tiveram mais intensidade em determinadas regiões. Ou seja, faz-se um retrato do mundo profissional, que pode colaborar para que a profissão seja melhor compreendida”, explicou.

Além do Presidente do Crea-PR, participaram do evento, via videoconferência, os Geógrafos Grazielle Carvalho, especialista no desenvolvimento de projetos para cidades inteligentes, e ClewersonScheraiber, da Klabin, que falou do mercado profissional. Atualmente dona de uma consultoria especializada, Grazielle reforçou que a construção de uma smartcity passa, necessariamente, pelo conhecimento, com levantamento de dados e a identificação de prioridades, tarefa na qual os Geógrafos têm papel de destaque. “Toda cidade que pretende ser inteligente busca melhorar a qualidade de vida. O planejamento é norteado pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU [Organização das Nações Unidas] e tem que ser pensado para daqui a 20 anos. Qual é o caminho entre o que temos atualmente e o que queremos ter? É então que criamos um plano de ação. É preciso pensar a cidade de forma estratégica, e não só em lâmpadas de LED”, avaliou.

Para Scheraiber, que atualmente é supervisor de geoprocessamento e sensoriamento remoto da Klabin, ainda existem muitas dúvidas em relação ao papel do Geógrafo, mas o potencial para a profissão é grande. “Quando comecei, eu tinha muitas perguntas, mas, na metade do primeiro semestre da faculdade, consegui um estágio e desde lá nunca mais saí dessa área de geoprocessamento e sensoriamento remoto”, comentou. “Às vezes, as pessoas acham que um mapa é simples, mas esquecem de todos os dados e análise que ele contém. A grande diferença do Geógrafo é a visão sistêmica. Nós não devemos esperar que as oportunidades batam à porta. Vamos ser protagonistas nessa área de estudos analíticos, pois trabalhamos com diversas áreas: geologia, geomorfologia, cartografia, geografia humana. A grade é muito completa, temos alta capacidade de trabalhar com informação.”

O Presidente da Associação de Geógrafos do Brasil – AGB – Seção Maringá, Danilo Giampietro Serrano, lembrou que o dia da profissão é o mesmo da criação do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – um marco na luta da Geografia no Brasil. “O Geógrafo é uma profissão extremamente importante por englobar questões de planejamento, sociais, físicas e culturais de um país”.
“Este foi o primeiro evento presencial e transmitido via youtube realizado pela Aprogeo, para o qual usamos o sistema do Crea-PR utilizado nas Plenárias. O evento foi uma marco também para os Geógrafos de todo o Estado, por realizar a Assembléia de fundação da Associação dos Geógrafos Seção Curitiba”, destacou Jorge Campelo, Presidente da Aprogeo-PR.

 


Comentários

Nenhum comentário.

Deixe um comentário

Comentários com palavras de baixo calão ou que difamem a imagem do Conselho não serão aceitos.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *