Marca do Crea-PR para impressão
Disponível em <https://www.crea-pr.org.br/ws/arquivos/31678>.
Acesso em 12/08/2020 às 03h24.

Crea-PR inicia fiscalizações de conduta na prescrição do Paraquate no Paraná

12 de junho de 2020, às 16h54 - Tempo de leitura aproximado: 2 minutos

Imagem chapada com o texto

O Ministério Público do Paraná solicitou ao Crea-PR ações de fiscalização em relação ao atendimento da RDC Anvisa nº 190/2017, que determina uma série de condições de uso relativas aos produtos à base do ingrediente ativo Paraquate.

O artigo 3º da resolução, já em vigor,e já acompanhado pelas fiscalizações do Crea-PR, “proíbe… I – a produção e a importação de produtos formulados em embalagens de volume inferior a 5 (cinco) litros; II – a utilização nas culturas de abacate, abacaxi, aspargo, beterraba, cacau, coco, couve, pastagens, pera, pêssego, seringueira, sorgo e uva; III – as aplicações costal, manual, aérea e por trator de cabine aberta.”

A partir do mês de setembro, é o artigo 2º que entrará em vigor, o qual determina “a proibição, após 3 (três) anos, contados a partir da data de publicação desta Resolução, a produção, a importação, a comercialização e a utilização de produtos técnicos e formulados à base do ingrediente ativo Paraquate”. “Neste mês de junho começamos a verificar a conduta de profissionais na emissão de receitas para o Paraquate no Paraná. A intenção é continuar estas verificações de forma rotineira, até chegarmos ao mês de proibição total, que será em setembro”, explica a Gerente do Departamento de Fiscalização do Crea-PR – Defis – Engenheira Ambiental Mariana Maranhão.

No total desta primeira rodada foram fiscalizadas 3408 receitas agronômicas, de 57 profissionais, analisando se eles prescreveram as receitas de acordo com as resoluções, bem como de acordo com o Manual de Orientação sobre Receituário Agronômico. “Foi possível verificar 5 profissionais que inseriram no receituário recomendações proibidas pela Anvisa, tendo sido iniciado processo de averiguação. Para outros 25 profissionais foi solicitado esclarecimentos, uma vez que a análise da receita não foi conclusiva”, acrescenta Mariana.

A gerente do Defis ressalta que além da receita, o profissional também deve entregar o Termo de Conhecimento de Risco, documento que foi instituído como obrigatório na RDC nº 177/2017. “Faço o reforço ao texto trazido pelo próprio Manual de que “o papel do profissional não se limita a indicar o agrotóxico correto para o problema que se lhe apresenta. A entrega da receita representa uma autorização para o agricultor – um leigo – aplicar um agrotóxico, produto potencialmente perigoso à saúde humana e ao ambiente. Assim, é importante que o profissional leve em consideração todos os fatores que estão envolvidos na prescrição e uso dos agrotóxicos”, alerta a Engenheira.


Comentários

  1. Claudio Luiz G. Marques disse:

    É isso aí. O CREA-PR tem que fiscalizar ao máximo esta questão dos receituários agronômicos na indicação de agrotóxicos, principalmente de ingredientes ativos extremamente tóxicos, como o paraquate. Na verdade, estes produtos já deveriam estar proibidos no país há muito tempo. Infelizmente, ainda teremos que esperar 3 anos para esta proibição! Enquanto isto, nosso ambiente e nossa saúde continuarão sendo intoxicados!

    1. Comunicação Crea-PR disse:

      Isso mesmo, Luiz. Estamos sempre atentos!

  2. Considerando-se o uso indiscriminado desse e de outros produtos em culturas como às citadas, trarão num tempo, grandes consequências a aplicadores e a sociedade consumidora. Razão que o Crea precisa e deve fiscalizar, independentemente de ação de outro órgão, de forma contínua, dando a sociedade a sua razão de ser, no contexto ďa legalidade, com o impedimento de leigos e de ” profissionais” inedoneos, diante dos riscos irreparáveis.

    1. Comunicação Crea-PR disse:

      Exatamente, Pedro. A nossa vocação é fiscalizar e, pensando nisso, estamos sempre tentando aumentar seus convênios com importantes órgãos do estado a fim de melhorar a cada dia mais a nossa fiscalização. Além disso contamos com um Departamento de Fiscalização sempre atento para melhorar a vida não só de nossos profissionais registrados, mas também de toda a sociedade.

  3. Trajano Gracia Neto disse:

    Fiscalizar em todos os pontos. Desde o comércio até em imóveis rurais. E os neonicotinoides?

    1. Comunicação Crea-PR disse:

      Olá, Trajano. Tudo bem?
      Nós fiscalizamos o exercício profissional no uso do agrotóxico. Nós verificamos se a informação no diagnóstico feito pelo profissional está correto, ou seja, se esse (neonicotinoides) e muitos outros produtos estão prescritos corretamente pelo profissional.

Deixe um comentário

Comentários com palavras de baixo calão ou que difamem a imagem do Conselho não serão aceitos.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *