Marca do Crea-PR para impressão
Disponível em <https://www.crea-pr.org.br/ws/arquivos/32679>.
Acesso em 28/11/2020 às 02h47.

Engenheiros, agrônomos e geocientistas têm muito a contribuir com o planejamento e desenvolvimento urbano e rural

Artigo do Engenheiro Agrônomo Osvaldo Danhoni, presidente em exercício do Crea-PR

21 de agosto de 2020, às 10h21 - Tempo de leitura aproximado: 3 minutos

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), criado em 1934, é uma autarquia responsável por fiscalizar e regulamentar o exercício profissional das Engenharias, Agronomia e Geociências em todo o Paraná, promovendo também ações de orientação e valorização dos profissionais pertencentes ao sistema Confea/Crea.

Nestas mais de oito décadas de trabalho, o Conselho observa que grande parte dos cargos nomeados pela União, Estados, Municípios, entidades autárquicas, paraestatais e de economia mista, que necessitam de conhecimento técnico das Engenharias, Agronomia e Geociências, não são designados a profissionais habilitados na área.

No Brasil, a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 37º, V, limita a investidura em cargos de comissão para as funções de chefia, direção e assessoramento. A ocupação de cargo em comissão é transitória, sendo seus titulares nomeados em função da relação de confiança que existe entre eles e a autoridade nomeante. Portanto, não há obrigatoriedade por lei de que tais cargos sejam ocupados somente por profissionais habilitados; todavia, o Crea-PR recomenda que àqueles que demandam conhecimento técnico o sejam. Isso, porque, a própria Constituição Federal determina que a administração pública deva observar, entre outros, os princípios da impessoalidade e da eficiência, pautadas por critérios objetivos.

A nossa defesa é de que profissionais habilitados com formação podem contribuir muito com a transformação social tão necessária nas questões relacionadas à infraestrutura urbana e rural, tecnologia, agronegócio, sustentabilidade, conservação dos recursos naturais, entre outros temas. Profissionais estratégicos e com embasamento científico são capazes de propor políticas públicas e tomar decisões assertivas em prol do desenvolvimento local. Contudo, infelizmente, muitas vezes, profissionais habilitados ficam de fora do radar de nomeações para cargos de secretaria,  diretoria, superintendência, coordenadoria ou gerência.

A resolução nº 430, de 13 de agosto de 1999, do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) prevê que as seguintes atividades estejam vinculadas à habilitação legal: I-Supervisão, coordenação e orientação técnica; II- Estudo, planejamento, projeto e especificação; III- Estudo de viabilidade técnico-econômica; IV- Assistência, assessoria e consultoria; V- Direção de obra e serviço técnico; VI- Vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico; VII- Desempenho de cargo e função técnica; VIII- Ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica e extensão; IX- Elaboração de orçamento técnico; X- Padronização, mensuração e controle de qualidade; XI- Execução de obra e serviço técnico; XII- Fiscalização de obra e serviço técnico; XIII- Produção técnica e especializada; XIV- Condução de trabalho técnico; XV- Condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou manutenção; XVI- Execução de instalação, montagem e reparo; XVII- Operação, manutenção e instalação de equipamento; XVIII- Execução de desenho técnico.

Muitas das atribuições acima são necessárias ou desejáveis nos cargos de liderança das pastas técnicas.  Por isso, a preocupação do Crea-PR em torno desta pauta se reflete em sua Agenda Parlamentar, durante as reuniões realizadas com gestores. Nesses encontros, os representantes do Conselho sempre buscam, por meio do diálogo, o compromisso das autoridades com a nomeação eficiente para cargos técnicos.

A simples mudança de postura de passar a seguir o caminho da valorização e inserção profissional nos levará ao tão almejado desenvolvimento.


Comentários

  1. ADEMAR CAPRA disse:

    O grande diferencial quando se consegue êxito em algum empreendimento é o simples fato de incumbir a tal projeto pessoas qualificadas para lograr eficácia na execução. Logo, é louvável esse comentário acima no que diz respeito a isso. É inconcebível designar pessoas não qualificadas para desempenhar funções as quais não lhes diz respeito.
    Muito boa essa prerrogativa explanada.
    Parabéns…

Deixe um comentário

Comentários com palavras de baixo calão ou que difamem a imagem do Conselho não serão aceitos.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *