Marca do Crea-PR para impressão
Disponível em <https://www.crea-pr.org.br/ws/arquivos/37018>.
Acesso em 14/06/2021 às 04h56.

Maio amarelo: Crea-PR reforça mensagem de conscientização no trânsito

No Paraná, houve queda no número de ocorrências no trânsito, mas o principal motivo não foi a mudança de conduta dos motoristas, e sim o reflexo da pandemia

5 de maio de 2021, às 17h26 - Tempo de leitura aproximado: 5 minutos

Durante todos os meses, as cores do calendário variam em nome das campanhas de conscientização ao redor do mundo. Entre outubro rosa, novembro azul e dezembro laranja, por exemplo, há também o maio amarelo, um movimento que surgiu em 2011, quando a Organização das Nações Unidas (ONU) decretou a Década de Ação para Segurança no Trânsito. Com isso, o mês de maio tornou-se referência mundial para ações de conscientização sobre a importância de prevenção a acidentes de trânsito. O lema da campanha deste ano é “Respeito e Responsabilidade: pratique no trânsito”. Neste ano, mais uma vez, o Crea-PR apoia essa iniciativa e, por isso, durante todo o mês, serão divulgados materiais de conscientização nas redes sociais e, também, no site do Conselho.

Anualmente, com o aumento da população mundial, da frota de veículos e dos meios alternativos de transporte, o trânsito tem se tornado o foco de muitas mobilizações, principalmente pelo número de acidentes e de mortes. Dados nacionais apontam que em 2020  houve maior número de ocorrências com motociclistas e ciclistas – que aumentaram sua rotina no trânsito por conta do crescimento de deliverys durante a pandemia. Mas, em alguns municípios, a frota de veículos cresceu durante a pandemia, o que reforça a importância da Campanha Maio Amarelo.

O Crea-PR, que fiscaliza a atividade profissional dos engenheiros civis especialistas em Trânsito e Segurança, bem como dos engenheiros ambientais, que reforçam a importância dos transportes alternativos para reduzir a poluição ambiental nas cidades. Temos ainda registrados no Conselho os engenheiros mecânicos, têxteis, químicos, eletricistas e metalúrgicos, que compõem o universo da indústria automobilística.

O conselheiro do Crea-PR, engenheiro civil Charlles Urbano Hostins Junior frisa que,  de uns dez anos para cá, houve redução significativa no número de acidentes graves nas rodovias. Por outro lado, os acidentes provocados por falhas que poderiam ser evitadas estão cada vez mais comuns. “Percebemos que as principais causas são uso do celular na direção, distração, cansaço , estresse… Por isso sempre recomendamos que é preciso dirigir conforme as normas de trânsito, pois elas não foram criadas à toa. Os motoristas precisam obedecer a sinalização e se preparar para uma viagem com antecedência, verificando as condições do veículo e do próprio motorista”, aconselha o Engenheiro.

O movimento Maio Amarelo sensibiliza pedestres, motoristas, ciclistas, motociclistas, caminhoneiros e todos os demais personagens que fazem parte do trânsito. Mas muito além dos motoristas, outros fatores importantes também devem ser levados em conta nessa equação, como os veículos. O Crea-PR levantou que entre os cinco municípios da região Noroeste, a cidade de Campo Mourão teve o maior crescimento da frota durante a pandemia, de 2,8%. Enquanto em Paranavaí a frota cresceu 2,3%, e em Umuarama, 2,1%. Os crescimentos mais tímidos no período ocorreram nas cidades de Cianorte (1,7%) e Maringá (0,4%). Veja na tabela:

Para a engenheira civil Bárbara Andrea Marchesini, especialista em Trânsito e Transportes, com o aumento anual de veículos nas ruas, principalmente nas maiores cidades, o trânsito em breve atingirá sua capacidade máxima.  “Mesmo com um crescimento mais tímido da frota em relação aos anos anteriores, o aumento de veículos nas vias urbanas vem ocorrendo e o monitoramento das condições viárias e ações de Engenharia devem ser realizadas, a fim de se garantir a fluidez e a segurança na circulação. Implantação de semáforos, restrição de estacionamento e incentivo a outros meios de transporte como implantação de ciclovias e corredores de transporte público são algumas medidas a serem consideradas quando se busca a melhoria da mobilidade nas cidades”, ressalta a engenheira.

Reflexo da pandemia na queda de acidentes

Segundo dados da Polícia Militar do Paraná, somente no primeiro semestre de 2020 13.176 pessoas ficaram feridas e outras 454 morreram em decorrência de acidentes de trânsito. O balanço indicou, ainda, que nas vias urbanas ocorreram 30.878 acidentes, com 10.501 feridos e 158 mortes, de janeiro a junho do ano passado.

No geral, comparando esses números com os registrados em 2019, houve queda no número de acidentes, com redução de 23,8% nas rodovias e 26,4% nas vias urbanas. Mesmo assim, segundo o conselheiro Charlles, ainda é preciso “colocar o pé no freio” e repensar a situação do trânsito no Estado.

“No ano passado, diante da pandemia e das recomendações para que as pessoas ficassem mais em casa, a redução de acidentes já era esperada. Mas a partir do momento em que houve a retomada de boa parte dos setores, já houve aumento exponencial no número de ocorrências. Acredito que, além dos fatores já comuns como pressa e descuido, agora temos motoristas que querem compensar o tempo perdido, como se isso fosse possível. Nas estradas, isso é ainda mais notório, pois com o dólar em alta, há grande demanda de exportação, o que aumenta o fluxo nas vias”, destaca Charlles.

Para atingirmos uma melhor conscientização no trânsito, o 1º diretor administrativo do Crea-PR, engenheiro civil José Carlos, diz que é preciso considerar todo o conjunto que faz o trânsito funcionar. “Evoluímos muito no sentido de fazer vias mais seguras e projetar automóveis com mais segurança e tecnologia. Mas no fator humano, não progredimos. A imprudência está cada dia maior, sendo causadora de cerca de 90% dos acidentes de trânsito registrados no mundo”, destaca. Para que esse índice melhore e menos pessoas sejam vítimas do trânsito, o engenheiro diz que partir do momento em que estamos no trânsito, assumimos riscos diversos e precisamos tomar decisões que diminuam as chances de algo errado acontecer.

Nos últimos quatro anos, segundo dados do próprio movimento, 27 países abraçaram a causa, mobilizando mais de 1,4 mil empresas.

Para também aderir ao movimento, basta acessar o site www.maioamarelo.com.


Comentários

Nenhum comentário.

Deixe um comentário

Comentários com palavras de baixo calão ou que difamem a imagem do Conselho não serão aceitos.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *